encotre fácil
newsletter

Digite seu e-mail:

parceiros
Click Jardim
Rural Links

Conheça todos os nossos parceiros
Orkut Facebook Twitter
Artigos
Hortas e canteiros - Permacultura urbana e suburbana

Gardel Silveira | Publicado em: 20/04/2010 | Voltar para artigos

Antes de 1900 todas as cidades continham fazendas e pomares dentro delas. Embora ainda existam alguns pontos de produtividade nos países em desenvolvimento, a necessidade moderna de mais edificações comerciais e industriais, além de espaço para habitação, tem empurrado a produção de alimento para fora da cidade, além dos subúrbios e para zona rural distante. As cidades tornaram-se totalmente incapazes de suportar-se a si mesmas, em termos de alimento e energia. Agora consumem muito além daquilo que podem produzir.

A única coisa que nos impede de agir efetivamente é a nossa dependência passiva das autoridades públicas. Este post mostra algumas formas pelas quais a auto-suficiência urbana e comunitária é atingida.

 

Canteiros e pomares para espaços urbanos e suburbanos

Quanto menor o espaço disponível, maior cuidado deve-se ter na intensificação da produção de alimentos a na minimização do espaço desperdiçado, usando sistemas de espirais, fechaduras, treliças, mínimo caminho e plantio em andares e consórcios.

 

Pequenos espaços urbanos

Essa situação requer o máximo de planejamento, mas é surpreendente quanta comida pode ser produzida nos beirais de janelas, varandas, caminhos estreitos e pátios. Plantas podem, até mesmo, crescer dentro de casa em potes, desde que sejam levadas (sobre rodas) para um local ensolarado. A maioria das plantas necessita, no mínimo, de 6 horas de luz solar por dia, durante a estação de crescimento.

Potes podem ser feitos de quase tudo: plásticos, baldes, cestas velhas, sacos, caixas de brinquedo etc. Fure o fundo, para que a água escape, e confira se o peso deles não será excessivo para o suporte. Uma mistura de solo leve pode ser feita especialmente para o plantio em sacadas ou balcões e telhados, podendo necessitar de uma rega mais freqüente.

Soluções para cultivo de batatas em espaço pequeno. Esquerda tambor de 200 litros com nível de mulch elevado à medida que as plantas cresçam. Direita: caixa construída em secções adicionadas quando necessário.


Potes mais fundos são ideais para tubérculos. Batatas são plantadas em uma pequena área usando uma caixa feita de tonel, caixa de madeira, dormentes de madeira(do lado de fora) ou mesmo pneus de automóvel. As batatas são colocadas sobre um apoio de mulch (encontrado na parte mais superficial do solo da floresta ou composto pronto) dentro da caixa, com mulch por cima. À medida que as batatas brotam e crescem, mais mulch é empilhado por cima, até que os topos verdes estejam acima da beira da caixa. Dessa forma, as batatas surgem da haste coberta e são apanhadas mais facilmente do que plantadas em solo duro. E neste caso evita a contaminação do solo com nematóides (murchadeira) em outras cultiváveis como o tomate, pimentão etc.

  • Escolha as plantas que você come, que lhe sejam particularmente nutritivas e que possam ser colhidas uma ou duas vezes por semana, tais como pimentões, tomates, salsa, cebolinha, manjericão, alface, rúcula etc.
  • Em varandas e pátios pequenos, as plantas serão colocadas de forma que as mais altas fiquem atrás, para que não sombrearem as menores.
  • Outras formas bem conhecidas de plantar alimentos em pequenos espaços incluem brotos de alfafa, girassol e feijões bem como plantar um ou dois sacos de cogumelo em um local frio e escuro.
  • Restos de cozinha são compostados em um sistema de dois baldes sob a pia, adicionando-se podas de jardim (grama cortada). Alguns restos como cascas de laranja e cascas de ovos inteiros levam muito tempo para se decomporem, mas isso é facilmente resolvido, se você cortá-los ou esmagá-los.
  • Para moradores de apartamentos, treliças são colocadas à volta da varanda/sacada ou contra as paredes, do lado de fora da janela.

(A) Corte de uma varanda plantada com ervas, vegetais e pequenas frutíferas em canteiros e vasos. (B) Canteiro externo à janela. (C) Treliça para frutas e sombra.

 

Lotes suburbanos

Na periferia das cidades, a maioria das pessoas têm ou aluga uma casa com um quintal pequeno ou médio na frente ou atrás da residência. Muitas dessas casas poderiam acomodar uma pequena estufa ou viveiro, sistema de treliças, árvores frutíferas, uma policultura de plantas anuais e perenes e alguns pequenos e quietos animais, como patos, codornas, abelhas sem ferrão e galinhas garnisés.

As frutíferas em miniatura, plantadas no solo ou em potes grandes, são compactas (geralmente, em torno de 2 metros de altura, quando adultas) e dão frutos de tamanho normal dentro de poucos anos. Suas desvantagens são custo inicial, maior cuidado necessário e um tempo de vida mais curto.

Árvores enxertadas também são muito valiosas em um pomar pequeno, pois ocupam pouco espaço e produzem frutos bem cedo. Galhos de uma variedade de pêssegos ou maças, por exemplo, podem ser enxertados em outras variedades para garantir a polinização cruzada ou para que as frutas amadureçam em épocas diferentes.

Considere a altura e a largura da copa das árvores, pois elas poderão, mais tarde, sombrear os canteiros. Intercalar frutíferas caducas com aquelas de folhas permanentes é uma ótima estratégia para passagem de luz durante o inverno e outono, assim evita o sombreamento excessivo e a proliferação de fungos e outros parasitas que gostam de sombreamento. Quase todas as árvores frutíferas podem ser podadas e trituradas para servirem de cobertura ou enriquecer o composto. Qualquer tipo de canteiro pode ser usado: elevados, rebaixados, fechadura, círculo até caixas cheias de composto e terra.

Quando temos uma grande diversidade de plantas e pequenos animais quase nada se perde dentro do sistema, pois tudo é aproveitado, reciclado e transformado. A poda das árvores, da grama e restos da cozinha pode ir para uma composteira que após a compostagem poderá ser usada na horta ou servirá de alimento para as minhocas que produzirão húmus. O excedente da horta e frutas dos pomares podem alimentar as galinhas, coelhos e também as minhocas. Mantendo o pomar fechado é possível soltar regularmente as galinhas para comerem os frutos que caem. Com isso pode-se controlar a larva da mosca da fruta e engordar as galinhas. Elas fazem a limpeza e deixam seu esterco para nutrir as árvores. Se as galinhas ficarem num galinheiro móvel é mais fácil de controlá-las e também facilita para limpeza dos canteiros.

Versões antes e depois de um terreno suburbano. ANTES: alta manutenção, baixa produção. DEPOIS: baixa manutenção, alta produção. (Adaptado de um desenho de Robin Francis)

 

Ao refazer este desenho acrescentei alguns elementos inseparáveis de um sistema permacultural. Para o tratamento das águas negras (vaso sanitário) sugeri uma Bacia de Evapo-transpiração. Para poupar energia elétrica um aquecedor solar com boiler para armazenamento da água quente para pia e chuveiro. Também é possível um sistema mais simples como uma caixa fechada com vidro reciclado de fogão e mangueira preta em espiral, como demonstro na página Tecnologias do Bem do site do Sitio Curupira. E não poderia ficar de fora, uma cisterna para armazenar água da chuva. Para baixar um arquivo em pdf para construção de uma cisterna acesse Cartilha do Curso Zona 1 (IPAB – set/2003).

 

Fonte de pesquisa: Livro Introdução a Permacultura de Bill Millison e Reny Mia Slay.

 

Fonte do artigo: http://sitiocurupira.wordpress.com/hortasecanteiros/

Entre em contato com:
Gardel Silveira
poruga@terra.com.br

Leia Também:
20/04/2010 - Hortas e canteiros - Permacultura urbana e suburbana
04/01/2010 - Cidades verdes
22/10/2009 - Capim-dos-pampas (Cortaderia selloana)
06/01/2010 - Brasil: o paí­s da biodiversidade
09/02/2010 - Sítio da Mata Bambus
18/08/2010 - Desvendei o Segredo do Dedo Verde
20/04/2010 - Agrofloresta
10/02/2010 - Verão x Bromélias
06/01/2010 - História do Pau-Brasil
22/10/2009 - Feiras, Congressos e Simpósios

Colunistas

- - - - - - - - - - - - - - - -


Links patrocinados: